Ciguia
Guia telefônico, de locais, cidades e muito mais, conheça tudo o que o Ciguia tem a lhe oferecer.

Estação

HISTÓRICO

O Município pertence à AMAU (Associação dos Municípios do Alto Uruguai) e FAMURS (Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul). A região onde se encontra o município de Estação começou a ser ocupada no final do século XIX.

Como marco do início do desenvolvimento do município de Estação está a construção da estrada de ferro, pela qual aportaram os primeiros imigrantes colonizadores. Embora date de anos anteriores, a estrada de ferro só foi inaugurada em 03 de maio de 1910 e a localidade (hoje Estação) recebeu o nome de Estação Erexim, que teve inicialmente a extensão de 4.567 metros, 8 metros de largura e 12 metros de derrubada.

Ainda em 1910 foi construída uma linha telefônica ligando a sede com a Estação Erexim, com uma extensão de 5.000 metros. A denominação Estação Erexim perdurou até o ano de “1935” quando recebeu o nome de Estação Getúlio Vargas.

A riqueza florestal, as terras férteis, a estrada de ferro, a exportação do excedente em mão-de-obra das colônias velhas foram motivos para o rápido crescimento da colônia.

A partir da devastação das matas mais colonos foram se instalando, ocorrendo a introdução da agropecuária diversificada com a suinocultura, a bovinocultura, bem como o cultivo da viticultura, do trigo, do milho e do feijão preto.

O Senhor José Manduca foi um dos primeiros moradores do município de Estação, possivelmente  no início deste século. Várias famílias foram pioneiras na colonização do antigo Bairro Estação Getúlio Vargas, dentre elas: Piccoli, Bordignon, Giacomazzi, Andriolli, Tagliari, Ribeiro da Silva e outras.

Os munícipes estaçonenses sempre foram homens bravos e corajosos, participando ativamente de diversos movimentos, tanto de ordem política como outros, dentre eles na Revolução de 1923, a Revolução de 1930, a Revolução de 1932, e na legalidade, movimento ocorrido em 1961.

Graças ao trabalho incansável dos colonizadores, cuja bagagem cultural serviu de alavanca motora do desenvolvimento da região, Estação prosperou.

Em 1914 o povoado de Estação fazia parte do 2° distrito de Passo Fundo,  possuía 21 prédios e 160 habitantes; em 1921 possuía 60 prédios e 300 habitantes. Com a criação do município de Getúlio Vargas, em 1934, Estação passou a ser um dos bairros da sede municipal, distante 5 Km da mesma e recebeu a denominação de Estação Getúlio Vargas.

O Município de Estação é composto por descendentes de imigrantes italianos em sua maioria, destacamos a presença também de descendentes de alemães, poloneses e negros.

MOVIMENTO EMANCIPACIONISTA

O desejo de emancipação de Estação do município de Getúlio Vargas sempre esteve presente no seio das famílias de Estação. Os movimentos mais fortes foram registrados em 1967, 1977 e 1985. Naquela época, era evidente o desinteresse das autoridades municipais pelo desenvolvimento da área que pleiteava a emancipação. Porém, tal movimento permaneceu ativo até o momento em que surgiram reais condições para conseguir a implantação do município.

Foram necessários árduos trabalhos no levantamento dos dados da potencialidade da área emancipada. Finalmente, com dados referentes à população, indústria, comércio, número de residências, agropecuária e outros, montou-se um processo, que foi encaminhado à Comissão de Constituição e Justiça da Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul.

Através da Lei nº 8.366, de 24 de setembro de 1987, foi autorizada a consulta plebiscitária na área, tendo a população manifestando-se favoravelmente à emancipação por uma maioria esmagadora. Em 21 de abril de 1988, através da Lei nº 8.572, o Governo do Estado criou o Município de Estação, desligando-o do Município de Getúlio Vargas.

Fizeram parte da Comissão Executiva Emancipacionista os seguintes munícipes: Lido David Tagliari, João Tonin, Arthur Bortolini, Celso Fianco Santin, Dirceu Guollo, Octávio Ciro Boff, Hugo Mário Boff, além de outros inúmeros colaboradores que preferiram ficar no anonimato.

CARACTERÍSTICAS GERAIS

  • Bairros

A cidade conta com diversos bairros: Centro, São Pedro, Florestinha, Santuário, Santana, São José e Santo Antônio.

  • Comunidades

O Município está constituído, além da sede, pelas seguintes comunidades: Linha Dona Elisa, Linha Brustolin, Linha Pegoraro, Floresta, Caixa D’Água, Vista Alegre, Navegantes e Capela São Paulo.

  • Situação Geográfica

O Município de Estação, com uma área territorial de 96,59 Km2, situa-se no Alto Uruguai, zona colonial de Erexim, no Estado do Rio Grande do Sul.  Está inserida na Mesorregião geográfica – Noroeste Rio-Grandense e na microrregião geográfica de Erechim.

A altitude média do Município é 680 m, acima do nível do mar. A latitude é de –27°54’39”. A longitude é de 52°15’36”.

  • Limites

– Leste: Município de Getúlio Vargas

– Sul: Município de Sertão

– Oeste: Município de Sertão e Ipiranga do Sul

– Norte: Município de Erebango

  • Vias de acesso

Getúlio Vargas: 4 Km – asfaltada

Sertão: 17 Km – asfaltada via RS 135

Erexim: (Polo Regional) 25 Km – asfaltada via RS 135

Passo Fundo: 44 Km – asfaltada  – asfaltada via RS 135

Ipiranga do Sul: 17 Km – afaltada

      Erebango: 7 Km – asfaltada

A distância do Município de Estação até a Capital do Estado, Porto Alegre, é de 330 Km.

  • Clima

Situada na zona temperada, o clima no Município de Estação é do tipo mesotérmico e super-úmido, sendo enquadrada na zona climática denominada subtropical.

  • Topografia

Situada no Planalto Meridional, possuindo um relevo de patamares estruturais, com topografia ondulada. Os solos são do tipo mineral, profundos, bem drenados, todavia, com altos teores de alumínio e suscetíveis à erosão. A mecanização é viável em toda a totalidade  da área do Município. Os solos são originalmente ácidos, apresentado PH entre 4,5 e 5,8 com deficiência em fósforo. As condições do solo e climáticas da região permitem o cultivo de variados produtos: soja, milho, trigo e cevada.

  • Hidrografia

Linha Férrea servindo de divisor de águas. Por um lado da Linha Férrea, as nascentes passam pelo Rio do Peixe, indo desembocar no Rio Pelotas e por outro, as nascentes passam pelo Rio Passo Fundo, indo desembocar no Rio Uruguai, formando assim duas semi-bacias: a do Rio do Peixe e a do Rio Passo Fundo.

Todos esses rios e arroios de águas perenes que banham o Município são pertencentes à Bacia do Uruguai, dentre os quais destacamos:

          – Rio Uhupacã – Nasce no Município de Sertão, corre na direção de oeste para leste. Serve de divisa natural com o Município de Sertão. Tinha o nome de “Teixeira”  provavelmente devido ao nome de uma família ribeirinha. O nome atual foi dado por resolução do IBGE.

          – Rio Inhaporã – Nasce no Município de Sertão, corre na direção de leste para oeste, desaguando no Pirassucê (Rio do Peixe). Faz divisa em toda a sua extensão com o Município de Sertão. Tinha pela tradição o nome de “Rio Bonito”. Recebeu o atual nome por resolução do IBGE.

  • Fauna/ Flora

Com a devastação das matas e a formação de lavouras muitas espécies desapareceram. Mas há ainda uma diversidade de animais como aves, mamíferos, répteis, anfíbios, peixes e insetos. A flora existente no Município também é bastante variada.

  • Religião

A religião predominante é a Católica Apostólica Romana, destacando-se também outras doutrinas religiosas.

ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

População Habitantes
Masculina 2.951
Feminina 3.060
Urbana 5.119
Rural 892
Total 6.011

Fonte: IBGE – 2010

 

  • Perfil Populacional

A população da zona rural tem diminuído muito nos últimos anos devido ao êxodo provocado pela falta de oportunidades de trabalho e estudo.

HABITANTES/IDADE N° HABITANTES PORCENTAGEM
 0 a 4 anos 310 5,15%
5 a 9 anos 367 6,10%
10 a 19 anos 963 16,02%
20 a 29 anos 917 15,25%
30 a 39 anos 826 13,74%
40 a 49 anos 922 15,33%
50 a 59 anos 749 12,46%
60 anos ou mais 1464 24,35%

Fonte: IBGE 2010

            Conforme o PIB (Produto Interno Bruto), grande parte da renda da população tem sua origem direta ou indireta na atividade de serviços, seguida, das indústrias e por último, a agropecuária. Dos 6011 habitantes, 2951 são homens e 3060, mulheres, predominando o sexo feminino no município. Apenas 14,8% da população residem na zona rural e a maioria, 86,2, na zona urbana. Conforme dados informados, há várias pessoas que ainda não sabem ler nem escrever.

 

INDÚSTRIA, COMÉRCIO E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

No setor industrial e comercial contamos com a Indústria e o Comércio na Categoria Geral, Micro Empresa, Pequeno Porte e Profissões Liberais/ Autônomos. O município possui também Estabelecimentos de Crédito e Órgãos Públicos (Correio, Brigada Militar, CORSAN, EMATER, Prefeitura Municipal e Tabelionato).

 

SAÚDE

Nesta área o Município conta com uma Entidade particular, sendo Hospital Santo Antônio que atende a população de Estação e município vizinhos. Oferece vários serviços, com algumas especialidades.

O Município possui também duas Unidades Básicas de Saúde, oferecendo várias serviços/atendimentos à população. Destacam-se o atendimento odontológico, psicológico, médico ambulatorial/enfermagem, de assistência social, exames laboratoriais especializados. Conta ainda com o setor de medicamentos, de transporte (deslocamento de pacientes para outros hospitais ou centros de atendimento), de vigilância sanitária e ambiental, saúde preventiva e os programas PACS (Programa de Agentes Comunitárias de Saúde), PSF (Programa de saúde da Família) e PSB (Programa de Saúde Bucal).

As principais doenças em adultos são: hipertensão arterial, insuficiência cardíaca, arteriosclerose, embolias, tromboses, alcoolismo, gastrite, infecções urinarias, hepatites, neuroses, uretrites, ulceras, litíases, herpes, reumatismo, bursites, sinusites…em crianças, destacamos otite aguda, sinusites, conjuntivites, faringites, amigdalites, terçóis, bronquites, asma, pneumonia…

O Município possui também a Pastoral de Saúde e da Criança que prestam serviços à comunidade através de visitas e orientações, executando assim, a Medicina Preventiva.

 

ÁREA DE INFRA-ESTRUTURA

A população conta com calçamento/manta asfáltica, abastecimento de água, energia elétrica, oferecendo melhor qualidade de vida aos munícipes. Quanto ao sistema de esgoto, fazem-se necessários maiores investimentos.

 

SETOR CULTURAL

A comunidade de Estação conta, em âmbito cultural, com uma Biblioteca Pública Municipal, um Centro de Tradições Gaúchas, nos bairros  e comunidades do interior existem salões comunitários, onde são desenvolvidas atividades sócio-culturais-desportivas.

 

SITUAÇÃO EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO

Estação pertence a 15ª Coordenadoria Regional de Educação da Secretaria de Educação do Estado do Rio Grande do Sul, com sede em Erechim.

Nesta área o Município conta com escolas estaduais e municipais. O ensino médio é ministrado por uma escola da rede estadual.

O município possui 3 escolas municipais e 3 escolas estaduais, atendendo alunos desde a Educação Infantil até o Ensino Médio.

 

ESCOLAS MUNICIPAIS:

De Ensino Fundamental02

– E.M. de Ensino Fundamental Aurélio Castelli (Pré  ao 5º ano)

– E.M. de Ensino Fundamental Pedro Cecconelo (Pré  ao 5º ano)

De Educação Infantil: 01

– E.M. de Educação Infantil Anjinho da Guarda (Berçário e Maternal

ESCOLAS ESTADUAIS:

De Ensino Fundamental: 02

– E.E. de Ensino Fundamental Maria Nascimento Giacomazzi

( Pré ao 5º ano)

– E.E. de Ensino Fundamental Emílio Tagliari   ( 6º ao 9º ano)

Ensino Médio: 01

– E.E. de Ensino Médio Francisco de Assis   (Ensino Médio)