Bolsonaro chega a São Paulo para avaliação médica em hospital

Esta é a primeira vez que ele retorna ao centro médico depois de passar pela terceira cirurgia desde que levou uma facada durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG).

O presidente Jair Bolsonaro chegou na manhã desta quarta-feira (27) a São Paulo para a realização de avaliação médica no Hospital Israelita Albert Einstein, no Morumbi, Zona Sul da capital. Esta é a primeira vez que ele volta ao centro médico após ficar 17 dias internado depois de passar por cirurgia.

Bolsonaro precisou passar por três procedimentos cirúrgicos desde que sofreu um ataque a faca que perfurou seu abdômen em Juiz de Fora(MG), durante ato de campanha à Presidência da República em setembro do ano passado. A última cirurgia foi em 28 janeiro, para retirar a bolsa de colostomia e fazer a religação do intestino delgado ao intestino grosso.

O avião presidencial decolou de Brasília às 7h50 e pousou no Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul de São Paulo, às 9h09 desta quarta-feira. O presidente seguiu, acompanhando de comboio, em direção ao hospital, onde chegou às 9h50. A previsão era que o exame ocorresse por volta de 10h.

A assessoria de imprensa da Presidência da República não detalhou quais exames devem ser feitos, mas informou que Bolsonaro deve voltar para Brasília ainda nesta quarta, pois tem agenda oficial prevista para 17h no Palácio do Planalto.

A assessoria disse, ainda, que o presidente está acompanhado de uma “comitiva técnica da Presidência”. A primeira-dama não acompanha Bolsonaro porque está numa agenda em Brasília.

Avião presidencial no Aeroporto de Congonhas após pouso na manhã desta quarta-feira (27) — Foto: Reprodução/TV GloboAvião presidencial no Aeroporto de Congonhas após pouso na manhã desta quarta-feira (27) — Foto: Reprodução/TV Globo

Avião presidencial no Aeroporto de Congonhas após pouso na manhã desta quarta-feira (27) — Foto: Reprodução/TV Globo

presidente havia retornado a Brasília há duas semanas, logo depois de receber alta do Einstein. Ele chegou a ter uma espécie de gabinete no hospital para que pudesse despachar lá de dentro no período em que esteve internado.

Durante o período de internação, o presidente chegou a ser diagnosticado com pneumonia, o que contribuiu para que a alta dele demorasse além dos dez dias previstos inicialmente.

Quando ele deixou o Einstein, o boletim médico divulgado pelo hospital informava que Bolsonaro recebeu alta “com o quadro pulmonar normalizado, sem dor, afebril, com função intestinal restabelecida e dieta leve por via oral”.

Demissão após retorno a Brasília

Após deixar o hospital no último dia 13, Bolsonaro trabalhou por dois dias na residência oficial do Palácio da Alvorada e, em seguida, voltou a despachar em seu gabinete no Planalto.

Ao retomar à rotina de trabalho, o presidente decidiu exonerar Gustavo Bebianno da Secretaria-Geral da Presidência, a primeira demissão do governo. Ele enviou dois projetos ao Congresso Nacional: o pacote anticrime e a reforma da Previdência.

Investigação de atentado

O atentado contra Bolsonaro é investigado pela Polícia Federal. No mesmo dia da facada, Adélio Bispo foi preso e admitiu ter sido o autor do golpe. Nesta segunda-feira (25), o ministro da Justiça, Sérgio Moro, informou que apresentaria ao presidente o resultado parcial do inquérito, que ainda está em andamento.

O primeiro inquérito da PF concluiu que Adélio Bispo agiu sozinho no momento do ataque e que a motivação foi “indubitavelmente política”. O segundo inquérito foi aberto para dar continuidade às apurações, visando apurar “participação de terceiros ou grupos criminosos” no atentado.

Vote
Social: